"A leitura faz ao homem completo; a conversa, ágil, e o escrever, preciso."
(Francis Bacon)
Concordo plenamente, por isso resolvi compartilhar aqui minhas leituras e algumas escritas baseadas naquilo que costumamente leio.
Sinta-se à vontade!

24 de ago de 2016

Satisfeitos com Deus e inconformados com o mundo - breve estudo

Divisa: Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Romanos 12:1,2

Introdução

Paulo falou nos primeiros capítulos da iniciativa de Deus em relação à redenção humana. Essa salvação foi outorgada por Deus mediante Jesus Cristo e sua obra de redenção na cruz. A condição prévia, no entanto, é que seja recebida pela fé. Todos os homens pecaram e somente por meio da fé em Cristo Jesus e sua obra redentora é que são justificados perante Deus: Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Romanos 3:23,24. Os homens são, portanto, indesculpáveis perante um Deus que ama e busca o homem perdido e já proveu a redenção a todos quantos o receber por meio da fé.

Dessa forma Paulo inicia a segunda parte da sua carta suplicando aos irmãos que respondam à misericórdia de Deus (o perdão e a sua bondade) com um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. Essa é a única resposta aceitável à compaixão de Deus por nós. É uma oferta de coração, um sacrifício superior ao de animais, uma oferta com a própria vida. Apresentar os próprios corpos é resposta de amor à manifestação de amor (diante das misericórdias de Deus). É sacrifício que gera vida e não morte (vivo, santo e agradável). Na antiga dispensação os animais do sacrifício iam arrastados ao altar, involuntariamente, mas nós devemos voluntariamente oferecer o nosso corpo (tudo o que somos: coração, mente e vontade) a Deus como um sacrifício vivo, santo e agradável. 
A palavra “racional” significa lógico, coerente, autêntico. O culto que agrada a Deus é aquele onde há coerência e consistência entre a doutrina e a prática, isto é, entre o altar e o trabalho, entre o templo e o lar, entre a adoração e a vida. O culto que prestamos a Deus no altar é vazio de significado se não é acompanhado por uma vida de obediência e fidelidade a Deus.

O dicionário define sacrifício como "Qualquer coisa consagrada e oferecida a Deus."  Como crentes, perguntamo-nos como é que nós nos consagramos e oferecemos a Deus como sacrifício vivo?
Em pecado estamos mortos, mas a graça de Deus não nos deixa permanecer em pecado, antes nos livra do poder do pecado e nos vivifica. Veja:


Ora, se morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos. Romanos 6:8
Da mesma forma, considerem-se mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus. Romanos 6:11
Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Romanos 6:12,13
 
Dessa forma, nós oferecemos a Deus um sacrifício vivo quando nos colocamos obedientemente à serviço dele. Oferecer nossos membros ao serviço de Deus é oferecer cada capacidade do nosso ser ao serviço do Reino de Deus. É nos entregar integralmente como instrumentos da justiça de Deus, isto significa proclamar a mensagem do Evangelho: Deus enviou Jesus à terra, saldou nossa dívida de pecado e agora a sua justiça oferece a Graça, a Salvação, a vida Eterna a todos quantos crerem e o receberem.

Quando proclamamos as boas novas de Salvação na integralidade de nosso ser: palavras, pensamentos, atitudes, motivações, vivência, estaremos oferecendo um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus.

Paulo escreveu essa carta a pessoas já convertidas, à igreja de Roma. Mas para aqueles que hoje ouvem a doutrina e as exortações à vivência prática da fé e ainda não se decidiram em ter Jesus Cristo como Senhor e Salvador é uma boa oportunidade para se calcular o custo de entregar a Cristo. É certo que a salvação é oferecida ao homem pela Graça, por meio exclusivamente da fé. Mas ao fazer essa decisão, o homem se submete integralmente ao senhorio de Cristo, não mais viverá para si e para seus desejos e vontades, mas é a vontade do Senhor Jesus que deve prevalecer em sua vida. Não há meio termo. Uma confissão meramente intelectual não é o que Deus quer, Ele exige a totalidade de nosso ser. Ele requer de nós um sacrifício vivo.

Como um sacrifício vivo pode ser percebido, no sentido prático? 

O versículo 2 da nossa divisa nos ajuda a compreender: Oferecemos um sacrifício vivo a Deus ao não nos conformarmos com este mundo.

Mundo neste contexto é literalmente “era”, o “período atual da história”. Não se refere aqui ao mundo das pessoas, tal qual citado no evangelho de João (Jo 3.16), nem o mundo criado citado na oração de Jesus em João 17.24, mas a um sistema ateu, à esfera do mal que opera em nosso mundo sob o domínio de Satanás. Mundo aqui tem o mesmo sentido do descrito na primeira carta de João:
Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele.
Pois tudo o que há no mundo — a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens — não provém do Pai, mas do mundo. O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre. 1 João 2:15-17

cobiça da carne envolve tudo que apela aos nossos apetites físicos e inclui excessivo desejo por qualquer coisa que satisfaça necessidades físicas. (Tudo me é permitido", mas nem tudo convém. "Tudo me é permitido", mas eu não deixarei que nada domine. "Os alimentos foram feitos para o estômago e o estômago para os alimentos", mas Deus destruirá ambos. O corpo, porém, não é para a imoralidade, mas para o Senhor, e o Senhor para o corpo. 1 Coríntios 6:12,13)

cobiça dos olhos inclui principalmente a cobiça do materialismo, cobiçando coisas que vemos que não temos, e invejando aquelas pessoas que têm o que tanto desejamos. Ter inveja indica que não estamos satisfeitos com o que Deus tem nos dado. A Bíblia nos diz que devemos estar satisfeitos com o que temos, pois Deus nunca vai nos deixar ou abandonar (Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei. Hebreus 13:5).

soberba da vida (ostentação dos bens) é definida por qualquer ambição pelo que faz inchar o nosso ego ou nos coloca como superiores a algumas pessoas, nas nossas próprias vidas. (Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos. Filipenses 2:3)

Conformar é conciliar, ajustar, ser conforme, resignar-se. A Bíblia está nos exortando a não sermos conforme esses padrões mundanos, a não nos ajustarmos, a não tentarmos conciliar os padrões do mundo aos padrões de Deus. Jesus mesmo disse: Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. Mateus 6:24

A igreja tem um a dupla responsabilidade em relação ao mundo ao seu redor. Por um lado, devemos viver, servir e testemunhar no mundo. Por outro, devemos evitar nos contaminar com por ele. Assim, não devemos preservar nossa santidade fugindo do mundo, nem sacrificá-la nos conformando a ele. Tanto o escapismo quanto o conformismo são proibidos para nós. Esse é um dos temas principais da Bíblia, ou seja, Deus está convocando um povo para si e o desafiando a ser diferente de todos. “Sejam santos”, diz ele repetidamente ao seu povo, porque eu sou santo” (Lv 11.45; lPe 1.15-16).

O versículo do nosso tema segue ensinando de que maneira não nos conformaremos a esse sistema de pecado: “mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento”

Transformados – é um processo, não um fato isolado.

A palavra “transformados”, do grego metamorphoo, (metanoia – literalmente pensar após) significa transformado por uma mudança sobrenatural, arrependimento. Thayner define metanoia como a mudança de mente daqueles que começaram a aborrecer seus erros e ações más, tendo decidido entrar num melhor curso de vida, de maneira que engloba tanto o reconhecimento do pecado e tristeza por causa do pecado quanto reparação sincera, cujas provas e efeitos são as boas obras.

Metanoia fala de uma mudança de propósito e especificamente de abandono do pecado.
Logo, a transformação pela renovação da mente (metanoia) é:

*Dom de Deus, não é obra humana (Ou será que você despreza as riquezas da sua bondade, tolerância e paciência, não reconhecendo que a bondade de Deus o leva ao arrependimento? Romanos 2:4).

*Representa sempre o fim da tentativa humana para alcançar o favor de Deus.

*Inclui completa mudança de coração, de atitude, de interesses, de direção. É conversão em todo o sentido da palavra.

A Bíblia não reconhece fé que exclua este elemento de arrependimento ativo. Metanoia foi o centro da mensagem do ministério de Jesus: Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. Mateus 9:13. Jesus aqui estava a dizer que não desejava mais o sacrifício de animais, mas que desejava, e sempre foi o desejo do coração de Deus, a oferta de sacrifícios vivos, atos de misericórdia provenientes de um coração obediente voltado para Deus.

Um coração obediente voltado para Deus jamais se conformará aos padrões desse mundo, pois um coração assim experimenta a “boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”.

O arrependimento, a metanoia precede a salvação. Essa é a principal vontade de Deus para todos os homens: Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade. Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade. 1 Timóteo 2:1-4

Que sejamos santos, que sejamos gratos que façamos o bem: A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se da imoralidade sexual.
1 Tessalonicenses 4:3
Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.
1 Tessalonicenses 5:18
Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo bem, tapeis a boca à ignorância dos homens insensatos;
1 Pedro 2:15

A Bíblia usa uma linguagem sensorial em relação à salvação: “Provem, e vejam como o Senhor é bom. Como é feliz o homem que nele se refugia! ” Salmos 34:8 Não temos apenas que concordar e acreditar, mas provar e ver a bondade do Senhor que nos salva. A diferença entre acreditar que Deus salva e experimentar a salvação de Deus é semelhante à diferença entre a crença racional de que o mel é doce e ter a noção exata de tamanha doçura.  

Só é possível provar, experimentar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus após a transformação pela renovação da mente, após o arrependimento sincero que se volta inteiramente à Deus, oferecendo-se a si mesmo como sacrifício vivo, oferecendo-se a si mesmo como instrumento da justiça, isto é, como proclamador da mensagem da salvação por meio da fé em Cristo Jesus.

E aquele que prova e vê o quanto o Senhor é bom será plenamente satisfeito.


Quem está satisfeito com Deus está inconformado com o mundo, não existe meio termo.


Fonte bibliográfica:
  • Bíblia A Mensagem
  • Bíblia de Estudo NVI
  • Bíblia de Estudo Dake
  • O Evangelho segundo Jesus - John MacArthur
  • http://solascriptura-tt.org/VidaDosCrentes/ComDeus/QSignificaSerSacrificioVivo-GotQuestions.htm
  • http://www.monergismo.com/textos/comentarios/romanos_amorese.htm

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe registrado o seu comentário, a sua opinião, é importante para o crescimento desse trabalho.

"O que ama a correção ama o conhecimento;"Pv 12:1a

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...